Bem vindos ao 2018

     Pertencemos a uma civilização que registra a todos com carteira de identidade. Em base a ela todo sujeito  sabe a própria idade e anualmente pouco ou tanto festeja seu  aniversário. Por ela, o ANO é unidade de medida do tempo de vida de cada um.  E mesmo que me faça de distraído ou diga que joguei ao vento minha carteira, não escaparei do aniversário coletivo das noites de cada 31 de dezembro, sinal de que o tempo tem ritmo próprio, sem início, sem fim, linha contínua de sentido único que nos leva e nos perde sem saber de presente, passado e futuro.

 

Cabe então a cada titular de carteira “fazer a hora”, fazer seu próprio tempo acontecer, sem contar demais com o dia depois, sabidamente viciado em não dar conta do recado e jogar a bola pra frente.  Falando nisso, 2018 já começou, viu?

 

(Nestore – 07.01.18)